Ayakashi – Japanese Classis Horror [review] by Eiti

Olá pessoal! Neste post vou falar sobre um anime um pouco mais antigo da noitaminA. Esquecendo um pouco este momento mais comercial deste bloco.
Ayakashi Japanese Classic Horror (nos EUA foi lançado como Samurai Horror Tales) é um anime que fala sobre 3 estórias completamente diferente, unidos apenas com o tema principal que é horror e o fato de mostrar a parte podre da humanidade. A estória, direção e character design é muito diferente, então vamos falar sobre cada um separadamente.


A primeira estória é o Yotsuya Kaidan (episódio 1-4), ele é inspirado numa estória escrita por um autor de teatro Kabuki do século 18. Esta parte provavelmente é o que menos interessa os espectadores e faz com que muitos acabem largando a série (tanto que na edição americana ele é jogado pra segunda estória). A estória fala sobre traição e maldição, ela é bem interessante e a recriação da época é bem feita. Outro ponto interessante é que no anime tem algumas cenas reais que mostram o pano de fundo sobre esta estória e a influencia que ele exerce até hoje (tinha até um desenho famoso que eu conhecia desde pequeno que nem fazia ideia que era sobre isso).
A evolução é bem lenta e vai ti levando até o fim trágico. Isso pode incomodar a muitos que não estão acostumados ao estilo. Essa lentidão faz lembrar os teatros tradicionais. Os personagens que são apresentados são bem construídos, não chegam a fazer você se sentir próximo delas, na verdade alguns chegam a ser repugnantes, mas é possível observar a mudança nas características físicas e emocionais dos personagens.
O character design tem um traço forte e mais próximo dos desenhos sobre samurais. Com olhos mais curvos e formas mais fortes para o rosto. Ele é bem diferente dos traços que estamos acostumados. A lentidão da estória junto com o traço e estória forte faz um anime que cria um clima pesado e faz bem seu papel como horror que não vai fazer ninguém sair berrando, mas faz refletir horrorizado.


A segunda estória é Tenshuu Monogatari (episódio 5-8). ele é inspirado numa peça de Kyouka Izumi e fala sobre amor proibido entre humanos e os deuses esquecidos que comem pessoas.
Nesta estória é interessante observar alguns valores sobre o amor que no Japão é considerado algo da pré-guerra que é o amor a primeira vista e morrer por amor. Se pensar bem, isso só é mostrado em obras voltado pro público mais novo. É difícil ver essas coisas em obras mais adultas como em doramas voltado pro público mais velho. Então nesta peça, eles mostram algo que poucos acreditam.
A evolução do romance é a parte mais interessante desta obra. Amor proibido já é uma coisa muito comum, mas eles pegaram isso fizeram algo que valha a pena ser visto. Claro que o que move mesmo tudo no fim é a parte podre das pessoas. O fim como o esperado é trágico e dark, mas com um pontinho feliz.
O character design tem traços bem leve e sensíveis. Isso faz com que tenha um choque interessante e cria personagens muito legais que são as deusas esquecidas. Elas tem a aparência de lindas mulheres que se transformam em monstros assustadores. Mas por algum motivo com o protagonista não dá muito certo e tem muitos momentos que o rosto dele fica deformado.


A última estória é o Bakeneko (episódio 9-11) e desta vez é uma estória original. Por ser escrito por autores atuais, as características dele fica bem mais próximo dos atuais, tirando os valores apresentados antes e coloca algo mais cruel no lugar.
O começo é totalmente confuso e não dá pra entender nada no primeiro episódio, o que pode assustar a muitos, mas no segundo episódio é mostrado o molde do que deve acontecer e finalmente no terceiro episódio vemos os motivos e conclusão. Essa confusão faz com que esta estória fique bem mais ágil e deve agradar a maioria.
O character design é bem caricato, até chega a ser cômico, mas ao mesmo tempo o protagonista tem um traço mais realista e cheio de detalhes. Esse contraste faz com que logo de cara você veja que o protagonista não é uma pessoa normal.
O fim é trágico como todos os outros, a grande diferença dessa vez é que a parte podre das pessoas é apresentada mais explicitamente do que os outros.
Todas as estórias compartilham a mesma abertura e encerramento, só que a animação da abertura muda de acordo com a estória e o encerramento só mostra as cenas do episódio. A abertura é uma mistura de shamisen com j-rap. A música não chega a ser genial, mas o contraste faz muito sentido junto com as estórias, principalmente a última. Agora o encerramento tem um ritmo mais lento e letra mais romântica, faz bastante sentido com a primeira e a segunda estória, mas nada a ver com a última.
Resumindo Tudo: Este anime é uma bela coletânea de terror japonês. Além de um estilo de animação diferente que pode ser interessante para sair um pouco das mesmices atuais. Indicado para qual quer um que goste de terror e um toque de romance.

Esta é a imagem que me referia anteriormente em yotsuya kaidan

Anúncios

3 pensamentos sobre “Ayakashi – Japanese Classis Horror [review] by Eiti

  1. Tb tenho problemas com dramas mais pesados, mas além disso eu tenho medo de filmes, animes, mangás com terror e se é oriental meu medo aumenta ainda mais! Quem sabe um dia eu crio coragem e assisto! rs

    Nossa, o Eiti resolveu começar 2012 com força total, hein? Três post seguidos!!! \o/

    Bjs

  2. Ah nem é assutadora.Particularmente eu gostei do primeiro arco e do último.
    A unica coisa q n gostei muito do primeiro arco foi os comentarios la do altor da peça,sei la achei meio besta,vai ver pq n conheço a lenda em si.Ja o do Bakeneko achei genial.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s